Páginas

Powered By Blogger

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

CICLO/ CIKLO

 ❤️

A vida em mim nasce e morre
numa constante corrida:
não sei se sou eu quem corre
enquanto em mim corre a vida.
Não sei se sou eu quem morre
em cada pessoa morrida,
não sei que líquido escorre
e me nutre – água da vida?
Não sei que partícula dança
quando, luz, me fiz criança
e entrei no tempo e no espaço.
Não sei que onda me leva,
se sou luz mesmo na treva
quando, esperança, renasço.

***********

Naskiĝas kaj mortas vivo
dum ĉi konstanta kurado:
ĉu mi kuras mi ne scias
dum kuras ja mia vivo.
Ĉu estas mi kiu mortas
tra ĉiu homo mortanta,
ĉu tiu likv' skuanta
min nutras – akvo de viv'
Ĉu iu partiklo dancas
kiam, lum', mi infaniĝis
tempo-spacon enirinte.
Kiu ond' irigas min?
tiu lum' eĉ dum mallum'
espero renaskiĝinta?

5 comentários:

  1. Quanta beleza, verdade, pureza de água-vida, de água-viva, poesia de viver, de ser, de viver e permanecer!
    Gratidão por essas gotas de luz!

    ResponderExcluir
  2. Kia mirindaĵo! Gratulon, kara Poeto!
    Via poemo enhavas tiom da lumo, tiom da homeco, ke mi eĉ ne sukcesas gin komenti!

    ResponderExcluir
  3. Que beleza de sonetilho, Paulo. Vejo na imagem a fluidez dos nossos riachos serranos: humildes quando despontam nos mananciais; valentes ao descer os montes, em cachoeiras que não temem as pedras, mas que se espraiam entre margens barrentas nos ribeirões... até o encontro do oceano, quando tudo vira nuvem, sopro que fecunda as nascentes... Nascentes, aliás, feito você, caro poeta.

    ResponderExcluir

Pripoeziaj komentarioj bonvenas. Comentários sobre poemas são bem vindos.